Programação MN


Follow by Email

quarta-feira, maio 13



1.
QUA 13 MAIO
CELIA de Ann Turner (Austrália, 1989)
Situado na Austrália dos anos 50, com o medo do comunismo no ar e com as quintas nacionais a braços com uma praga de coelhos, o filme conta um Verão quente através dos olhos e da imaginação hiper-activa da pequena Celia. Abalada pela morte da sua adorada avó, Celia acaba à deriva, entre os rituais e jogos cruéis da infância e o incompreensível mundo dos adultos. E se criaturas monstruosas lhe povoam os sonhos, esses terrores imaginados são esbatidos durante o dia pela brutalidade banal do mundo adulto, acabando por se dirigir para trágicas consequências. A estreia de Ann Turner foi tão refrescante como surpreendente, com o seu registo quase clínico e pouco sentimental como montou uma fábula negra sobre o fim da infância, no que foi várias vezes comparada ao que Truffaut fez com o seu "400 Golpes". (legendado em inglês, 99 minutos)

2.
QUA 20 MAIO
MARKETA LAZAROVÁ de Frantisek Vlácil (Checoslováquia, 1967)
Votado o melhor filme checo de todos os tempos, "Marketa Lazarová" é um épico medieval poderoso e apaixonado situado no século XIII. Baseado na obra do escritor de vanguarda Vladislav Vancura, o filme segue a rivalidade entre dois clãs guerreiros, os Kozlíks e os Lazars, e o amor condenado dos filhos dos rivais, Mikolás Kozlík e Marketa Lazarová. Com reminiscências da obra de Tarkovsky e Kurosawa e fundado sobre a rica tapeçaria da ficção checa, este filme ambicioso e cheio de camadas é a coroação de Vlácil e um dos marcos por descobrir do cinema mundial. (legendado em inglês, 159 minutos)

3.
QUA 27 MAIO
VALERIE AND HER WEEK OF WONDERS de Jaromil Kires (Checoslováquia, 1970)
Uma mistura de terror, contos de fadas, surrealismo, amor e sexualidade, "Valerie And Her Week Of Wonders" retrata um mundo fantástico habitado por uma jovem rapariga à entrada do mundo adulto. Assombrado e onírico, inspirado em histórias como "Alice no País das Maravilhas" ou "O Capuchinho Vermelho", o filme é uma obra de pura imaginação e tornou-se um clássico de culto. Com as suas imagens deslumbrantes e a sua notável banda sonora, o filme age como um poderoso feitiço e é até hoje uma das obras fantásticas de maior influência. (legendado em inglês, 73 minutos)

4.
QUA 3 JUNHO
DAISIES de Vera Chytilová (Checoslováquia, 1966)
Uma história satírica, selvagem e irreverente de rebelião, o clássico surrealista de Vera Chytilová é talvez o filme mais aventuroso e anarquista do rico cinema checo. Duas jovens mulheres, ambas chamadas Marie, revoltam-se contra uma sociedade degenerada, decadente e opressiva, atacando símbolos de prosperidade, no que também foi simultaneamente lido como um manifesto de desafiante feminismo e como uma comédia niilista e de vanguarda. Transformado rapidamente num filme de culto, "Daisies" permanece um enigma cinematográfico e a sua influência reflecte-te em inúmeros cineastas, casos assumidos de Jacques Rivette, Catherine Breillat ou Gregg Araki. "Daisies" é um poema punk-rock, um motim visual que tanto provoca o riso como a ternura. (legendado em inglês, 73 minutos)

Sem comentários: